11 outubro 2007

O bater do coração


Todas as noites o Tigy vai para a sua caminha por volta das 9 da noite. A rotina é deitá-lo, dar-lhe a fraldinha e rodeá-lo dos seus bonecos preferidos: o Noddy, a quem ele chama "popó"; o Ruca que ele trata por "Pípi"; um macaco que é o "pá" e um Pai Natal, que canta Frank Sinatra, e que ele baptizou de "oh oh oh". Deste ritual faz parte dizer-lhe algumas vezes "Vamos dormir", "Dorme bem" e "Até amanhã", e ele fica aconchegado, pronto para recuperar toda a energia que o faz mexer dias inteiros.
Esta noite aconteceu algo diferente e novo, para mim. Apesar de estarem todos os companheiros presentes, a fralda entre as mãos, junto ao rosto, e a minha voz a repetir, sussurrando, as frases certas, o Tigy não me deixava afastar da cama.

Ao aproximar a minha mão das dele, num gesto rápido, o Tigy agarrou a minha mão e colocou-a entre as suas, encostando-a ao seu peito. Assim ficámos alguns minutos: a minha mão espalmada sobre o peito pequenino do meu filho, e ele a segurar-me, com força, com as suas duas mãos. O quarto escuro, o silêncio, aquele toque das nossas peles e o coração dele a bater dentro do peito, como se conversasse com a palma da minha mão. Quando o senti quase adormecido... soltei a minha mão das dele e aquela interrupção, entre o palpitar do coração dele e o meu corpo, assustou-me. Olhando-o assim, a reclamar a ausência das minhas mãos no seu peito, percebi que sentimos os filhos tão nossos que chegamos a pensar que os seus corações só batem se as nossas mãos os sentirem...
Deixei-o no quarto, a dormir a sua noite dentro dos seus sonhos. Fiquei eu com os meus pensamentos: Pois é... Tenho um filho que cresce... tão depressa. E que tem um coração que bate só por ele, mas que precisa tanto do meu...

9 comentários:

BlueAngel disse...

Minha querida amiga, precisamos sempre, mas sempre de sentir a mão da nossa mãe sobre o nosso coração. É uma sensação de tranquilidade que só se explica sentindo. O teu Tiggy está crescido e já dá valor ao que de mais importante podemos ter: o amor dos que mais nos querem, o amor dos nossos pais. Como sempre as tuas palavras comoveram-me. beijocas larocas :-)

Cláudia Pinto disse...

Demoraste a voltar mas o teu regresso deixou-me arrepiada. Amei o texto e conseguiste transmitir a cena de ontem à noite com tal sentimento que é impossível ficar indiferente. Estou feliz pelo crescimento tão adulto do teu filho e pelo mimo que ele precisa da sua mãe linda e babada. Conseguiste mais uma vez transpor para palavras sentimentos vividos e cenas do dia-a-dia que se transformam em momentos incríveis e muito bonitos para quem tem a oportunidade de te ler.

Beijinhos grandes

mamã disse...

Que sentimento tão bonito... e que emoções tão lindas e únicas de se viver!
Mas quer queiramos quer não somos o coração que alimenta o deles!´

Bjs grandes

Rute Borges disse...

Que emoção cada palavras, que penso tantas vezes e não consigo dizer ou escrever dessa forma tão tua.
beijo meu

Sombr|A|rredia disse...

Tão doce que é o bater do coração de quem amamos :)
um beijo*

musalia disse...

:) encanto, puro encanto. e muito amor-

Smas disse...

Gosto tanto de "te" ler.
Adoro cada uma das tuas palavras.
Bjs

Anónimo disse...

Sou uma nova visitante mas ainda bem que aqui cheguei.É lindo este cantinho. Sinto saudades das minhas crianças pequenas. Hoje são três homens lindos e maravilhosos, só o mais novo está comigo. Mas a filho a gente diz:
Estarei sempre por perto, mesmo sem darem por isso...
Terão sempre uma mão estendida e um colo reservado, que será sempre vosso.
No coração, um amor sem peso nem tamanho.
Sim, sou a mãe!
A vossa mãe!
E adoro quando ouço chamar essa palavra mágica.
Filó

Anónimo disse...

cheguei a este blog por acaso, porque o nome me atraiu... e sinceramente estou maravilhada e segura que foi algo que me guiou até aqui! as palaveras escritas são deliciosas e comoventes! obrigado