23 março 2013

Fichas de leitura

Atualizações pendentes mas sempre pertinentes. Esquecidas ou negligenciadas durante os meses que passaram, mas publicadas agora para memória futura.











Autor – Haruki Murakami 
Ano de edição - 2012 
Leitura em – Março/Abril 2012 







O Livro 1 revelou-me a existência do mundo de 1Q84, um mundo alternativo com duas luas e onde tantas respostas permanecem abertas. Murakami descreve sempre um universo singular, a par da realidade, imitando-a. E é, cada vez mais, um autor dos meus.

"Quando se forma um vazio, algo tem de o preencher. É o que fazemos todos."

"As pessoas precisam de coisas assim para continuar a viver: paisagens mentais com um significado, mesmo que impossível de explicar por palavras. Em parte, a razão por que vivemos prende-se com o termos de arranjar explicações para estas coisas."










Autor – Alice Vieira 
Ano de edição - 2011 
Leitura em - Maio 2012 







Ler Alice Vieira é, para mim, tão natural como a própria leitura. Cresci e tornei-me leitora com os seus livros. Neste seu primeiro romance para “adultos”, seja lá isso o que for, está a sua escrita, singular, mas está também uma história dentro da nossa própria História. Factos recriados ou revividos pela autora de uma forma tão própria, como só dela.

"E pessoas sem medo são difíceis de escravizar."

"Olhei-o bem de frente:
- Fernão Nunes só quer espalhar a verdade.
- A verdade não está ao alcance de todos.
- A verdade não tem dono.
- Aí é que te enganas!
- A verdade está no conhecimento.
- O conhecimento é um perigo.
- Perigo é olharmos para o chão em vez de olharmos para o céu.
- Pelo contrário: só olhando para o chão é que podes evitar os precipícios.
- Só olhando para o céu é que descobres a estrela que nos guia os passos."











Autor – José Riço Direitinho 
Ano de edição - 1994 
Leitura em – Junho 2012 







O autor vem lá de trás, de um tempo adolescente com a tendência para ler livros fora da idade, segundo trâmites que desconheço quem inventou. Daí para aqui, sigo o que escreve, enquanto crítico, mas especialmente o (pouco) que publica. Li, agora, este “Breviário das Más Inclinações” reeditado em 2011 – com uma capa fabulosa – e consigo regressar sempre aquilo que a escrito de Riço Direitinho me dá e me prende: a força do fantástico que está na história do povo, a força da magia, das crenças, das rezas, dos amores infelizes e dos maus-olhados. A história de José de Risso que nasceu com uma folha de carvalho tatuada nas costas e que morre aos 33, lida quase a festejar essa mesma idade, esta mesma idade.

 "Fosse como fosse, há naturezas que são de muita coragem!"









Autor – Mons Kallentoft
Ano de edição - 2012 
Leitura em – Julho/Agosto 2012  







Um livro da Primavera lido no meu Verão. A cheirar a sangue, a intriga, a explosão, a dúvida, a curiosidade. Como os outros 3 de Kallentoft, tetralogia supostamente fechada com este livro, mas que espero repetida em novos livros a abri no futuro. Deixam saudades: as personagens, a intriga nórdica, o completo desenrolar de uma fita embrulhada que queremos ajudar a arrumar.

"Ninguém escapa ao seu destino."











Autor – Katherine Pancol
Ano de edição - 2010 
Leitura em – Setembro/Novembro 2012 






Duas irmãs diferentes, que se usam, que se entendem e desentendem, que se aproximam e afastam. Uma história de realidades de todo o lado, feita de amizade e de mentiras, de gente que é o que não é, de coisas que parecem mas não são. Meses a mais a ler um livro que há muito me chamava mas que custou a entrar e a ficar.

“Joséphine, o que fazem as pessoas de sucesso? Será que são simplesmente bafejadas pela sorte ou têm uma receita?"










Autor – Haruki Murakami
Ano de edição - 2012 
Leitura em – Dezembro 2012/Janeiro 2013 







O terceiro livro de 1Q84 chega com uma personagem nova, a elevar a intriga mas também a desenvencilhar algumas histórias. Fecha, aqui, uma história de um mundo paralelo, onde há mentiras e segredos, mas onde duas pessoas caminham ao encontro, uma da outra, sem o saberem. Apenas sentindo-o. Como dizem as críticas: uma verdade história de amor dos tempos modernos. Inesquecível... porque no meu céu nunca mais deixarão de existir duas luas.

"Precisámos de todo este tempo para compreendermos como nos sentíamos sós."









Autor – Dulce Maria Cardoso
Ano de edição - 2011 
Leitura em – Fevereiro 2012






Ler sobre uma história que ouço em casa, que sei fazer parte da minha família e das minhas pessoas, mas que até nem parece ser minha. A escrita de Dulce Maria Cardoso há muito que me conquistara, noutros livros, noutros cenários, mas este "O Retorno" é perfeito de mais para se ler sem saborear, é vivido de mais para se ler sem nos vermos lá, numa Angola que não conheço mas que ouço descrever, e especialmente num Portugal feito metrópole que ora não parece este, ora está tal e qual como o vejo hoje.
Há muito tempo que um livro não me fazia chorar.

"Um quarto pode ser uma casa e este quarto e esta varanda de onde se vê o mar é a nossa casa."




07 março 2013

Eu hoje respondo assim

Questionário que anda à solta na blogosfera e que eu agarrei assim:

EU... hoje 

Prato favorito: 
Hoje comia bacalhau à brás.

Peça de roupa e acessório:
Vestidos e o meu Watx.

Música favorita: 

Hoje lembrei-me desta


“Dançar na chuva quando a chuva vem...”

Flor:
Tulipas. Quase sempre.

Cor: 
Cinzento. Entre o sim e o não.

Cheiro favorito: 
Um bolo no forno.

Livro favorito:
Hoje digo este, ainda fresco na memória. Cada vez mais rendida à genialidade de Murakami.



Local:
Em casa.

Brincadeira favorita: 
Jogos de memória com o Tiago para adormecer, com regras que inventamos a dois feitas de muitas exceções.

“Quotes” mais importantes para a vida: 
Sigo esta



Bolo favorito:
Bolo brigadeiro!

Maior mentira: 
“Não importa...”
(importa sempre)

Maior traquinice:
Não as ter feito?!

Gelado favorito:
Sundae de chocolate com kit kat.

Profissão que queria ser:
Bem pequena, professora como a mãe.

Defeito de Mãe:
Permissiva... permissiva... permissiva...

Qualidade de Mãe: 
Permissiva, claro.


O meu filho... sempre

Fecho os olhos e a primeira imagem que tenho de ti é...
Pequenino com um barrete azul e rosa, encostado à minha cara. 

Coisas que lhe quero ensinar:
A defender-se dos outros que contaminam a alegria que os dias (ainda) podem ter.

O que guardarias na caixa de recordações do teu filho:
Os meus diários.

Locais onde querias levar o teu filho:
À lua...se ele quisesse.

Coisas que gostas que ele te diga:
Que teve saudades minhas durante o dia de escola.

Coisas que não ias gostar que ele fizesse:
Faz muitas... coisas de 7 anos. Que não faça as mesmas aos 17 ou 27.

O que não gostas de fazer ao teu filho:
Acordá-lo de “madrugada” quando dorme tão profundamente e chove na rua.

Queres muito que o teu filho:
Seja exatamente igual a si próprio, faça sempre aquilo que é melhor para ele, em cada momento, que tenha orgulho em tudo o que conseguir e que todos os dias se lembre de mim.


01 março 2013

Foi então

que as temperaturas desceram e que, à nossa volta, começaram a chegar arrepios. Arrepios de medo, de dúvida, de coisas complicadas que nos atam as mãos e os pés, enleados em problemas de leis ou burocracias que nem entendemos. Arrepios de injustiça ou de indecisão, de desconhecimento ou de cansaço. Arrepios de tudo e ainda de frio. Mas no fim, que até pode ser o fim do dia, o calor dos abraços e das conversas, da companhia e do silêncio, do sossego e da ternura, trazendo arrepios de paz. Arrepios de pele, de borboletas no estômago, de infinito. Arrepios de tudo e ainda arrepios de amor. E as temperaturas sobem e o frio é lá fora, e o frio nem importa e o frio nem se sente...