16 dezembro 2005

Um instante qualquer


Quando não se encontram as palavras do que está por dizer,
quando não se desata o fio dos pensamentos,
quando fica silêncio entre os sons de palavras baralhadas...
Mas - mesmo assim - se quer deixar por escrito
essa turbulência das ideias, procuram-se as frases dos outros,
como neste "INSTANTE" de Sophia de Mello Breyner Andresen.

«Deixai-me limpo
O ar dos quartos
E liso
O branco das paredes
Deixai-me com as coisas
Fundadas no silêncio»


... no dia dos 4 meses do meu Tigy...

2 comentários:

nils disse...

Todos os instantes passam vagarosamente até estar contigo e com o tigy. Outros dias há em que estou com vocês e passam muito rápido os meus instantes. Gosto muito de ti, minha mulher, e de ti, meu bébé lindo.

Catarina disse...

É tão bom saber que os teus instantes são de felicidade e que a encontraste, bem merecida!

Para quando uma história do Colégio? :)

Beijão de saudades para ti, minha querida.