01 março 2009

Posso?





Eu sempre fui assim.
Cheia de vontades. Cheia de capacidades. Cheia do melhor de tudo. Cheia de ideias. Cheia de certezas. Mas nunca cheia de mim.

Eu sempre quis parecer assim.
Cheia de força. Cheia de coragem. Cheia de resistência. Cheia de tudo o que torna as pessoas invencíveis. Mas nunca cheguei a vencer-me a mim.

Eu sempre me fechei aqui por dentro.
Cheia de palavras por escrever. Cheia de uma vida inteira que nunca saiu de cadernos trancados em segredos sem chave. Cheia de gente que nunca foi como a inventei. Cheia de histórias que nunca aconteceram como pensei. Mas nunca cheguei a viver nada de mim.

Eu sempre repeti que tudo passa, que tudo se consegue, que vale a pena tentar.
Eu sempre insisti que a vida não pode ser só isto, que o melhor está sempre para chegar.
Eu sempre mostrei o lado mais imperturbável e mais paciente, o lado mais tolerante e mais persistente, o lado mais tranquilo e mais saudável.


Assim, será que por uns dias, escassas semanas, um ou outro mês, posso ser todo e qualquer contrário? Posso?



Ilustração - Marta Chicote


4 comentários:

BlueAngel disse...

Podes tudo, Amiga, TUDO. Desde que seja por ti e pelos teus e que não faças mal a ninguém e nem os prejudiques. Podes gritar sempre, sempre!!! Querer é poder e se queres PODES, ai PODES pois. :-) beijocas larocas com amizade

alguém+ neste mar de gente, disse...

"Eu sempre repeti que tudo passa, que tudo se consegue, que vale a pena tentar. será que por uns dias, escassas semanas, um ou outro mês, posso ser todo e qualquer contrário? Posso?"
se sempre mostraste o lado mais imperturbável e mais paciente, o lado mais tolerante e mais persistente, o lado mais tranquilo e mais saudável, como queres viver o que realmente se passa dentro de ti, se o que assumes é uma fachada de bem-estar? :)
prendes a vida em ti e depois queres vivê-la? solta-te das amarras que te prendem ;)

Jane & Cia disse...

Podes!
No agora , no hoje no Sempre.
Podes também gritar as palavras que te atropelam o peito.
Podes ser tu, outra, qualquer.
Podes tudo.

Beijos nas palavras, nas razões, na falta delas.

Um dia, será o dia de lutar,
um dia, será o dia de contemplar.
outro será o dia do avesso se fazer dia.
Respirar, por fim, respirar

Rute Borges disse...

Tantas vezes me questiono de forma tão igual... e a resposta é sempre a mesma e a que te vou dar aqui:
Podes, tens!

Continua a acreditar em ti, sempre e poderás tudo.

Um beijão!